Pesquisar neste blog

terça-feira

Onde está a MIDIA?!

SE FOSSE SITUAÇÃO CONTRÁRIA DE JUDEUS ESTAREM SENDO DIZIMADOS NA MIDIA MUNDIAL, TERIA NOTICIAS 24 HORAS E BOLETINS A CADA 10 MINUTOS DA SITUAÇÃO.
O QUE SERIA CERTO!FUNÇÃO DA MIDIA SERIA INFORMAR.
MAS PORQUE A GRANDE MIDIA SILENCIA O MASSACRE QUE PALESTINOS ESTÃO SOFRENDO POR PARTE DOS SIONISTAS???

CADÊ A ONU QUE NÃO SE MANIFESTA?
NENHUM CHEFE DE ESTADO RECRIMINA ESSE ATO DE ISRAEL?
CADE A MIDIA MUNDIAL QUE NÃO CONDENA ESSE ATO DE ISRAEL?
PELO VISTO VIDA DE PALESTINO NÃO TEM IMPORTÂNCIA E SOMENTE SE DEVE LEVAR EM CONTA A PERDA DE PRECIOSAS VIDAS JUDIAS, "O POVO ESCOLHIDO POR DEUS" QUE CONTA O RESTO É RESTO NÉ?

SEGUNDO CONCEITO DA GRANDE MIDIA JUDAICO SIONISTA, O RESTO DEVE SER IGNORADO E TRATADO COM DESCASO:AH ORAAAAAAA SÃO SOMENTES POBRES E SUJOS PALESTINOS SEM IMPORTÂNCIA!

VAI VER É ASSIM, QUE PENSA OS DONOS DO MUNDO!
E O MUNDO DE MERDA, SILENCIA E APLAUDE!


A mídia nacional é imparcial? Saiba porque eles não podem ser imparcial nem aqui e nem na Cochinchina


O que a mídia anti-nacional faz nas pessoas é mais do que lavagem cerebral...

Hoje não existe mais dúvida alguma de a Grande Mídia no Brasil e em todo o Ocidente é influenciada e totalmente controlada pelo Sionismo; apenas algumas pessoas sem noção e outros que acham isso da maioria, acreditam em liberdade de expressão, imprensa livre e independente e outras coisas do tipo.

A mídia em nosso país tem feito um jogo de manipulação da política nacional, e isso não precisamos de ir longe para vermos o exemplo: os jornais, revistas e a TV tem atacado sistematicamente o governo do Presidente Lula, apesar de ele estar cumprindo todo o protocolo sionista e anti-nacional do sistema; mas, a mídia tem mostrado sistematicamente acusações de corrupção, umas sobre as outras, como se todas essas mazelas fossem exemplo apenas de seu governo.

Quando chegou a vez de exibir as falcatruas e roubos do governo Fernando Henrique, a mídia inteira resolveu apresentá-lo como vítima de um complô, e nunca como se esses roubos e apropriações tivessem realmente acontecido por corrupção de seu governo. É isso que a grande população me diz na rua que não entende: Porque as corrupções do governo Lula podem ocupar todo o tempo e espaço dos jornais, mas a corrupção do governo Fernando Henrique é acobertada como se não fosse realmente a mesma corrupção.

E é aí que eu explico o porque dessa diferença: Fernando Henrique Cardoso, além de descendentes de judeus, é também sionista, tem filha casada com judeu e defende o neo-liberalismo, mais um ISMO criado e defendido pelos famigerados sionistas. Lula, apesar de fantoche do sionismo, não é um veterano, é um neófito dentro desse sistema convencional que comanda a política, a imprensa e a economia do Brasil. FHC é um catedrático em sociologia, ciência que foi criada apenas com o objetivo de explicar o modo como as massas são dominadas pelo capitalismo e demais ideologias do sionismo.

Lula é um profano no meio desse mar de lama; como líder popular intransigente, foi obrigado a aceitar e obedecer os ditos dessa gente poderosa; ele não pode fazer muita coisa além daquilo que já lhe está traçado; mas, mesmo assim a mídia tem verdadeira aversão por esse torneiro mecânico que resolveu barrar o caminho de diversos sionistas convictos do Brasil.

Depois de ler o que aqui escrevemos, com certeza se levantarão um grande número de pessoas que defendem o sistema sionista-maçônico de Liberdade, Igualdade, Fraternidade. Depois de mais de três séculos, a humanidade começa a ver que é tudo uma grande ilusão criada pela mídia pró-Israel. Na verdade nunca a população mundial esteve mais escrava de um sistema, nunca fomos mais discriminados em nossas formas de pensar e nunca os homens estiveram mais propensos à guerra.

Primeiro porque o Sionismo prega liberdade para o mundo, mas escraviza as pessoas através do capital que eles controlam em todo o mundo; pregam essa mesma liberdadem, mas proibem as pessoas de publicarem livros que critiquem o sistema judaico; pregam fraternidade, mas não conseguem viver em paz com nenhum povo do mundo (guerras com os palestinos e árabes, ataques na Argentina, Turquia, etc). Pregam a igualdade, mas se consideram superiores e eleitos, fato que excluem os demais povos desse sistema de governo.

Por tudo isso nós não podemos nos calar diante desses desmandos, e cruzar nossos braços diante da ocupação sionista em nosso país. Espalham mentiras e publicam diversos livros manchando a memória nacional, culpando papas e presidentes por causa da suposta morte de milhões de judeus na II Guerra Mundial. Recentemente tomaram o presidente Getúlio Vargas para bode expiatório (Fábio Koifman, judeu, publicou o livro Quixote nas Trevas para dizer que Getúlio era nazista, blá-blá-blá, etc). E esse livro está em todas as bibliotecas do país, destilando veneno contra um lider nacional, com as bençãos do governo capacho.

De repente o certo passou a ser o anti-nacionalismo; passaram a denominar todo governo nacionalista de Populista, para tentar desmerecer os movimentos nacionais em detrimento da Globalização. Hoje em dia virou moda a formação de grandes blocos econômicos que futuramente vão-se transformar em blocos políticos, mais fáceis de serem manipulados pelo Sionismo.

Mas eles esquecem-se de que são apoiados apenas pelos governos, e na grande massa vai surgindo um ódio surdo contra esse sistema e seus autores; na verdade eles não podem esperar amor das pessoas que vêem esse sistema imperar em nosso meio. Haverá um resultado funesto para esse sistema. Nós já até conseguimos vislumbrar esse fim.

O Sionismo está caminhando para seu fim, e que pode ser também o fim dos seus autores; Israel representa o atraso cultural do oriente que quer se impor a nós ocidentais. Enquanto não nos unirmos em prol do fim desse sistema, eles vão cantar de galo aqui em nossa terra.

Observem como a mídia tem escondido a cara e as palavras de Jacob Klingerman; se ele fosse um político qualquer do país já teria sido incinerado pela mídia safada, mas como é judeu está sendo preservado. E essa mídia quer dar exemplo de imparcialidade e liberdade. Eles só atacam alguém quando isso é bom para Israel; se isso não é bom para os judeus eles escondem isso da grande massa, para evitar protestos, etc.


A causa judaica sempre foi tratada com beneplácito e simpatia por parte dos grandes grupos de comunicação.Como todos sabem, nos EUA, a indústria do entretenimento e informação é dominada por grupos ligados à causa judaica, que financiam grande gama da produção cinematográfica americana, e também grupos políticos ligados a indústria armamentista.



ASSISTA:
http://www.youtube.com/watch?v=Vi9FnilhvNk&NR=1
Judeus controlam totalmente os EUA.

quarta-feira

Augusto dos Anjos

Poeta brasileiro pré-moderno/moderno que viveu desde 20 de abril de 1884 a 12 de novembro de 1914. Diferente dos outros poetas de sua época, já que a poesia brasileira estava dominada por simbolismo e parnasianismo; Sua poesia chocou a muitos, principalmente aos poetas parnasianos, mas hoje é um dos poetas brasileiros que mais foram reeditados. Sua popularidade se deveu principalmente ao sucesso entre as camadas populares brasileiras e à divulgação feita pelos modernistas. E Augusto dos Anjos foi influenciado por Arthur Schopenhauer filosofo que admiro muito!

Segue a baixo as minhas obras favoritas de Augusto dos Anjos.


IDEALIZAÇÃO DA HUMANIDADE FUTURA


Rugia nos meus centros cerebrais
A multidão dos séculos futuros
- Homens que a herança de ímpetos impuros
Tomara etnicamente irracionais!

Não sei que livro, em letras garrafais,
Meus olhos liam! No húmus dos monturos,
Realizavam-se os partos mais obscuros,
Dentre as genealogias animais!

Como quem esmigalha protozoários
Meti todos os dedos mercenários
Na consciência daquela multidão...

E, em vez de achar a luz que os Céus inflama,
Somente achei moléculas de lama
E a mosca alegre da putrefação!


INSÂNIA DE UM SIMPLES

Em cismas patológicas insanas,
É-me grato adstringir-me, na hierarquia
Das formas vivas, à categoria
Das organizações liliputianas;

Ser semelhante aos zoófitos e às lianas,
Ter o destino de uma larva fria,
Deixar enfim na cloaca mais sombria
Este feixe de células humanas!

E enquanto arremedando Éolo iracundo,
Na orgia heliogabálica do mundo,
Ganem todos os vícios de uma vez,

Apraz-me, adstrito ao triângulo mesquinho
De um delta humilde, apodrecer sozinho
No silêncio de minha pequenez!


VANDALISMO

Meu coração tem catedrais imensas,
Templos de priscas e longínquas datas,
Onde um nume de amor, em serenatas,
Canta a aleluia virginal das crenças.

Na ogiva fúlgida e nas colunatas
Vertem lustrais irradiações intensas
Cintilações de lâmpadas suspensas
E as ametistas e os florões e as pratas.

Com os velhos Templários medievais
Entrei um dia nessas catedrais
E nesses templos claros e risonhos.

E erguendo os gládios e brandindo as hastas,
No desespero dos iconoclastas
Quebrei a imagem dos meus próprios sonhos!



ETERNA MÁGOA

O homem por sobre quem caiu a praga
Da tristeza do Mundo, o homem que é triste
Para todos os séculos existe
E nunca mais o seu pesar se apaga!

Não crê em nada, pois, nada há que traga
Consolo á Mágoa, a que só ele assiste.
Quer resistir, e quanto mais resiste
Mais se lhe aumenta e se lhe afunda a chaga.

Sabe que sofre, mas o que não sabe
E que essa mágoa infinda assim, não cabe
Na sua vida, é que essa mágoa infinda

Transpõe a vida do seu corpo inerme;
E quando esse homem se transforma em verme
E essa mágoa que o acompanha ainda!


QUEIXAS NOTURNAS

Quem foi que viu a minha Dor chorando?!
Saio. Minh'alma sai agoniada.
Andam monstros sombrios pela estrada
E pela estrada, entre estes monstros, ando!

Não trago sobre a túnica fingida
As insígnias medonhas do infeliz
Como os falsos mendigos de Paris
Na atra rua de Santa Margarida.

O quadro de aflições que me consomem
O próprio Pedro Américo não pinta...
Para pintá-lo, era preciso a tinta
Feita de todos os tormentos do homem!

Como um ladrão sentado numa ponte
Espera alguém, armado de arcabuz,
Na ânsia incoercível de roubar a luz,
Estou á espera de que o Sol desponte!

Bati nas pedras dum tormento rude
E a minha mágoa de hoje é tão intensa
Que eu penso que a Alegria é uma doença
E a Tristeza é minha única saúde.

As minhas roupas, quero até rompê-las!
Quero, arrancado das prisões carnais.
Viver na luz dos astros imortais,
Abraçado com todas as estrelas!

A Noite vai crescendo apavorante
E dentro do meu peito, no combate,
A Eternidade esmagadora bate
Numa dilatação exorbitante!

E eu luto contra a universal grandeza
Na mais terrível desesperação
É a luta, é o prélio enorme, é a rebelião
Da criatura contra a natureza!

Para essas lutas uma vida é pouca
Inda mesmo que os músculos se esforcem;
Os pobres braços do mortal se torcem
E o sangue jorra, em coalhos, pela boca.

E muitas vezes a agonia é tanta
Que, rolando dos últimos degraus,
O Hércules treme e vai tombar no caos
De onde seu corpo nunca mais levanta!

É natural que esse Hércules se estorça,
E tombe para sempre nessas lutas,
Estrangulado pelas rodas brutas
Do mecanismo que tiver mais força.

Ah! Por todos os séculos vindouros
Há de travar-se essa batalha vã
Do dia de hoje contra o de amanhã,
Igual á luta dos cristãos e mouros!

Sobre histórias de amor o interrogar-me
E vão, é inútil, é improfícuo, em suma;
Não sou capaz de amar mulher alguma
Nem há mulher talvez capaz de amar-me.

O amor tem favos e tem caldos quentes
E ao mesmo tempo que faz bem, faz mal;
O coração do Poeta é um hospital
Onde morreram todos os doentes.

Hoje é amargo tudo quanto eu gosto;
A bênção matutina que recebo...
E é tudo: o pão que como, a água que bebo,
O velho tamarindo a que me encosto!

Vou enterrar agora a harpa boêmia
Na atra e assombrosa solidão feroz
Onde não cheguem o eco duma voz
E o grito desvairado da blasfêmia!

Que dentro de minh'alma americana
Não mais palpite o coração - esta arca,
Este relógio trágico que marca
Todos os atos da tragédia humana!

Seja esta minha queixa derradeira
Cantada sobre o túmulo de Orfeu;
Seja este, enfim, o último canto meu
Por esta grande noite brasileira!

Melancolia! Estende-me a tu'asa!
És a árvore em que devo reclinar-me...
Se algum dia o Prazer vier procurar-me
Dize a este monstro que eu fugi de casa!


INFELIZ

Alma viúva das paixões da vida,
Tu que, na estrada da existência em fora,
Cantaste e riste, e na existência agora
Triste soluças a ilusão perdida;

Oh! tu, que na grinalda emurchecida
De teu passado de felicidade
Foste juntar os goivos da Saudade
Às flores da Esperança enlanguescida;

Se nada te aniquila o desalento
Que te invade, e pesar negro e profundo,
Esconde a Natureza o sofrimento,

E fica no teu ermo entristecida,
Alma arrancada do prazer do mundo,
Alma viúva das paixões da vida.


O CONDENADO

Alma feita somente de granito,
Condenada a sofrer cruel tortura
Pela rua sombria d'amargura
- Ei-lo que passa - réprobo maldito.

Olhar ao chão cravado e sempre fito,
Parece contemplar a sepultura
Das suas ilusões que a desventura
Desfez em pó no hórrido delito.

E, à cruz da expiação subindo mudo,
A vida a lhe fugir já sente prestes
Quando ao golpe do algoz, calou-se tudo.

O mundo é um sepulcro de tristeza.
Ali, por entre matas de ciprestes,
Folga a justiça e geme a natureza.


SAUDADE

Hoje que a mágoa me apunhala o seio,
E o coração me rasga atroz, imensa,
Eu a bendigo da descrença em meio,
Porque eu hoje só vivo da descrença.

À noite quando em funda soledade
Minh'alma se recolhe tristemente,
Pra iluminar-me a alma descontente,
Se acende o círio triste da Saudade.

E assim afeito às mágoas e ao tormento,
E à dor e ao sofrimento eterno afeito,
Para dar vida à dor e ao sofrimento,

Da saudade na campa enegrecida
Guardo a lembrança que me sangra o peito,
Mas que no entanto me alimenta a vida.


A ESPERANÇA

A Esperança não murcha, ela não cansa,
Também como ela não sucumbe a Crença.
Vão-se sonhos nas asas da Descrença,
Voltam sonhos nas asas da Esperança.

Muita gente infeliz assim não pensa;
No entanto o mundo é uma ilusão completa,
E não é a Esperança por sentença
Este laço que ao mundo nos manieta?

Mocidade, portanto, ergue o teu grito,
Sirva-te a Crença de fanal bendito,
Salve-te a glória no futuro - avança!

E eu, que vivo atrelado ao desalento,
Também espero o fim do meu tormento,
Na voz da Morte a me bradar; descansa!


ESTROFES SENTIDAS

Eu sei que o Amor enche o Universo todo
E se prende dos poetas à guitarra
Como o Pólipo que se agarra ao lodo
E a ostra que às rochas eternais se agarra.

O amor reduz-nos a uniformes placas,
Uniformiza todos os anelos
E une organizações fortes e fracas
Nos mesmos laços e nos mesmos elos.

Por muito tempo eu lhe sorvi o aroma,
E, desvairado, sem prever o abismo
Fiz desse amor um ídolo de Roma,
Eleito Deus no altar do fetichismo!

Tudo sacrifiquei para adorá-lo
- Mas hoje, vendo o horror dos meus destroços,
Tenho vontade de estrangulá-lo
E reduzi-lo muitas vezes a ossos!

Todo o ser que no mundo turbilhona
Veja do Amor, à luz das minhas frases,
Uma montanha que se desmorona,
Estremecendo em suas próprias bases.

E em qualquer parte do Universo veja -
Sombrias ruínas de um solar egrégio
E o desmoronamento duma Igreja
Despedaçada pelo sacrilégio.

A Natureza veste extraordinárias
Roupagens de ouro. Além, nas oliveiras,
Aves de várias cores e de várias
Espécies, cantam óperas inteiras.

A compreensão da minha niilidade
Aumenta à proporção que aumenta o dia
E pouco a pouco o encéfalo me invade
Numa clareza de fotografia.

Na área em que estou, ao matinal assomo,
Passa um rebanho de carneiros dóceis...
E o Sol arranca as minhas crenças como
Boucher de Perthes arrancava fósseis.

Observo então a condição tristonha
Da Humanidade, ébria de fumo e de ópio,
Tal qual ela é, e não tal qual a sonha
E a vê o Sábio pelo telescópio.

O Sábio vê em proporções enormes
Aquilo que é composto de pequenas
Partes, construindo corpos quase informes
E aquilo que é uma parcela apenas.

Da observação nos elevados montes
Prefiro, à nitidez real dos aspectos,
Ver mastodontes onde há mastodontes
E insetos ver onde há somente insetos.

A inanidade da Ilusão demonstro
Mas, demonstrando-a, sinto um violento
Rancor da Vida - este maldito monstro
Que no meu próprio estômago alimento!

Nisto a alma o oficio da Paixão entoa
E vai cair, heroicamente, na água
Da misteriosíssima lagoa
Que a língua humana denomina Mágoa!

Dos meus sonhos o exército desfila
E, à frente dele, eu vou cantando a nênia
Do Amor que eu tive e que se fez argila,
Como Tirteu na guerra de Messênia!

Transponho assim toda a sombria escarpa
Sinistro como quem medita um crime...
E quando a Dor me dói, tanjo minha harpa
E a harpa saudosa a minha Dor exprime!

Estes versos de amor que agora findo
Foram sentidos na solidão de uma horta,
À sombra dum verdoengo tamarindo
Que representa a minha infância morta!


A UM GÉRMEN

Começaste a existir, geléia crua,
E hás de crescer, no teu silêncio, tanto
Que, é natural, ainda algum dia, o pranto
Das tuas concreções plásmicas flua!

A água, em conjugação com a terra nua,
Vence o granito, deprimindo-o... O espanto
Convulsiona os espíritos, e, entanto,
Teu desenvolvimento continua!

Antes, geléia humana, não progridas
E em retrogradações indefinidas,
Volvas à antiga inexistência calma!...

Antes o Nada, oh! gérmen, que ainda haveres
De atingir, como o gérmen de outros seres,
Ao supremo infortúnio de ser alma!


NATUREZA ÍNTIMA

Cansada de observar-se na corrente
Que os acontecimentos refletia,
Reconcentrando-se em si mesma, um dia,
A Natureza olhou-se interiormente!

Baldada introspecção! Noumenalmente
O que Ela, em realidade, ainda sentia
Era a mesma imortal monotonia
De sua face externa indiferente!

E a Natureza disse com desgosto:
"Terei somente, porventura, rosto?!
"Serei apenas mera crusta espessa?!

"Pois é possível que Eu, causa do Mundo,
"Quando mais em mim mesma me aprofundo
"Menos interiormente me conheça?!"


VERSOS ÍNTIMOS

Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão – esta pantera –
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,
Mora entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!


IDEALISMO

Falas de amor, e eu ouço tudo e calo
O amor na Humanidade é uma mentira.
E é por isto que na minha lira
De amores fúteis poucas vezes falo.

O amor! Quando virei por fim a amá-lo?!
Quando, se o amor que a Humanidade inspira
É o amor do sibarita e da hetaíra,
De Messalina e de Sardanapalo?

Pois é mister que, para o amor sagrado,
O mundo fique imaterializado
— Alavanca desviada do seu fulcro —

E haja só amizade verdadeira
Duma caveira para outra caveira,
Do meu sepulcro para o teu sepulcro?!


VERSOS DE AMOR

Parece muito doce aquela cana.
Descasco-a, provo-a, chupo-a... ilusão treda!
O amor, poeta, é como a cana azeda,
A toda a boca que o não prova engana.

Quis saber que era o amor, por experiência,
E hoje que, enfim, conheço o seu conteúdo,
Pudera eu ter, eu que idolatro o estudo,
Todas as ciências menos esta ciência!

Certo, este o amor não é que, em ânsias, amo
Mas certo, o egoísta amor este é que acinte
Amas, oposto a mim. Por conseguinte
Chamas amor aquilo que eu não chamo.

Oposto ideal ao meu ideal conservas.
Diverso é, pois, o ponto outro de vista
Consoante o qual, observo o amor, do egoísta
Modo de ver, consoante o qual, o observas.

Porque o amor, tal como eu o estou amando,
É Espírito, é éter, é substância fluida,
É assim como o ar que a gente pega e cuida,
Cuida, entretanto, não estar pegando!

E a transubstanciação de instintos rudes,
Imponderabilíssima e impalpável,
Que anda acima da carne miserável
Como anda a garça acima dos açudes!

Para reproduzir tal sentimento
Daqui por diante, atenta a orelha cauta,
Como Mársias - o inventor da flauta -
Vou inventar também outro instrumento!

Mas de tal arte e espécie tal fazê-lo
Ambiciono, que o idioma em que te eu falo
Possam todas as línguas decliná-lo
Possam todos os homens compreendê-lo!

Para que, enfim, chegando à última calma
Meu podre coração roto não role,
Integralmente desfibrado e mole,
Como um saco vazio dentro d'alma!
Ocorreu um erro neste gadget