Pesquisar neste blog

domingo

Alfred Czech (12/10/1932 - 13/06/2011)

Faleceu no último dia 13 de junho em Hückelhoven, Alemanha, de causas naturais aos 78 anos de idade, o mais jovem ganhador da Cruz de Ferro, Alfred Czech.


Nascido em Goldenau, na então região alemã da Alta Silésia (hoje parte da Polônia), Czech era filho de um casal de fazendeiros. Bem jovem, entrou para a Jungvolk, uma organização criada para crianças de 10 a 14 anos, que ainda não tinham idade para juntar-se à Juventude Hitlerista. Com a aproximação do Exército Vermelho em março de 1945, os combates tomaram a zona rural próxima à sua casa.

Certo dia, Czech viu-se em meio ao fogo cruzado, e ao tentar afastar-se encontrou um grupo de soldados alemães feridos, que haviam sofrido um ataque de morteiros soviéticos. Ele correu para casa e, sem hesitar, tomou a carroça do pai e voltou ao local do combate, ajudando os soldados feridos a subirem e resgatando oito deles. Numa demonstração de excepcional coragem, Czech voltou mais uma vez ao front e resgatou mais quatro soldados, levando-os para casa e administrando os primeiros socorros - conhecimento que tinha aprendido na Jungvolk. Alguns dias depois, um general alemão apareceu na casa da família, e disse aos pais que preparassem o filho para uma viagem a Berlim.

Levado numa aeronave de transporte militar para a capital em 20 de março de 1945, Czech integrou um grupo de 20 jovens combatentes da Juventude Hitlerista que seriam cumprimentados pessoalmente por Adolf Hitler. Tomaram um café da manhã reforçado e receberam uniformes novos, sendo então levados para o jardim da Chancelaria do Reich. O Führer recebeu-os aparentando extrema fragilidade, com a gola do casaco puxada para cima e a mão esquerda (que tremia incontrolavelmente devido ao Mal de Parkinson) firmemente presa às costas. Ao passar pelos garotos, Hitler parou na frente de Czech e disse: "Então você é o mais jovem de todos? Não ficou com medo quando resgatou aqueles soldados?" O jovem de 12 anos apenas respondeu: "Não, meu Führer!"

Em seguida, os 20 meninos receberam de Artur Axmann suas Cruzes de Ferro, e desceram para o bunker, para um almoço com Hitler. Após conversar sobre suas experiências, os jovens foram questionados se gostariam de voltar para casa ou ir para a linha de frente. Todos optaram pela segunda alternativa. Sendo assim, Czech foi enviado para combater em Freudenthal, nos Sudetos. "Todos os soldados regulares tinham que me saudar por causa da minha Cruz de Ferro", lembrou-se ele. Em meados de abril, Czech teve um dos pulmões perfurado por uma bala, e recuperava-se no hospital quando a guerra acabou. Mantido prisioneiro na Tchecoslováquia até 1947, ele teve que voltar a pé de Praga até a casa dos pais em Goldenau, onde descobriu que seu pai havia sido morto nos últimos dia do conflito.

Com a região da Silésia cedida para a Polônia, a população alemã da área que não migrou imediatamente passou por diversas dificuldades sob os novos proprietários poloneses. Somente em 1964 Czech conseguiu autorização para sair do país, estabelecendo-se na Renânia, Alemanha Ocidental, onde trabalhou no ramo de construção civil até aposentar-se.

Até seus últimos dias, Alfred Czech manteve num porta-retrato a fotografia de seu encontro com Hitler. "Como uma criança, eu não pensava muito. Só queria fazer algo pelo meu povo", disse ele. "Não acho que foi insano mandar crianças para o combate. Aquilo era guerra". Ele deixa esposa, 10 filhos e 20 netos.

sexta-feira

Sobre os Atlantes Brancos e Atlantes Morenos

Os Atlantes Brancos estavam com os Deuses que queriam libertar o homem do Grande Engano da Matéria e afirmavam que se havia lutado ferozmente sobre este objetivo. Mas o Homem foi débil e defraudou a seus Deuses Libertadores: permitiu que a Estratégia inimiga abrandasse sua vontade e lhe mantivesse sujeito à matéria, impedindo assim que a Estratégia dos Deuses Libertadores o conseguisse arrancar desta Terra.

Em síntese, segundo os Atlantes Brancos, “uma fase da Guerra Essencial havia terminado, os Deuses voltaram a suas moradas e os combatentes estavam dispersos; mas os Deuses voltariam: o provavam as presenças atlantes ali, construindo e preparando a Terra para a Batalha Final. Na Atlântida, os Atlantes Morenos foram Sacerdotes que propiciavam um culto aos Deuses Traidores ao Espírito do Homem; os Atlantes Brancos, pelo contrário, pertenciam a uma casta de Construtores Guerreiros, ou Guerreiros Sábios, que combatiam no bando dos Deuses Libertadores do Espírito do Homem, junto às castas Nobre e Guerreira dos homens vermelhos e amarelos, quem contribuíram nas
fileiras de “combatentes diretos”. Por isso os Atlantes Morenos tentavam destruir suas obras: porque adoravam as Potências da Matéria e obedeciam ao desígnio com que os Deuses Traidores encadearam o Espírito à natureza animal do homem”.


Os Atlantes Brancos provinham de uma raça que a moderna antropologia denomina
“cromagnon”. Uns trinta mil anos antes, os Deuses Libertadores, que então governavam a Atlântida, haviam encomendado a essa raça uma missão de princípio, um encargo cujo cumprimento demonstraria seu valor e lhes abriria a porta da Sabedoria: deveriam expandir-se por todo o mundo e exterminar o animal-homem, o hominídeo primitivo da Terra que só tinha corpo e alma, mas carecia de Espírito eterno, quer dizer, a raça que a antropologia batizou de “neanderthal”, hoje extinta. Os homens de Cromagnon cumpriram a tarefa com tal eficiência, que foram recompensados pelos Deuses
Libertadores com a autorização para se reagrupar e habitar a Atlântida. Ali adquiriram posteriormente o Magistério da Pedra, e foram conhecidos como guardiões da Sabedoria Lítica e Homens de Pedra. Assim quando digo que “pertenciam a uma casta de construtores guerreiros”, entende-se “Construtores em Pedra”, “Guerreiros Sábios na Sabedoria Lítica”. E este esclarecimento é importante porque na sua ciência só se trabalhava com pedra, quer dizer, tanto as ferramentas, como os materiais de sua Ciência, consistiam em pedra pura, excluindo explicitamente os metais. “Os metais, explicariam logo aos iberos, representavam as Potências da Matéria e deveriam ser
cuidadosamente evitados ou manipulados com muita cautela”. Ao transmitir a idéia de que a essência do metal era demoníaca, os Atlantes Brancos buscavam evidentemente infundir um tabu nos povos aliados; tabu que, pelo menos no caso do ferro, se manteve por milhares de anos. Inversamente, os Atlantes morenos, sem dúvidas por sua particular relação com as Potências da Matéria, estimulavam os povos que lhes eram aliados a praticar a metalurgia e a ourivesaria, sem restrições a nenhum metal.


Como disse antes, logo de haver imposto essas missões os Atlantes continuavam seu lento avanço ao Leste; os brancos sempre seguidos a prudente distância pelos morenos. Por isso que os morenos tardaram milhares de anos para alcançar o Egito, onde se assentaram e impulsionaram uma civilização que durou tantos outros milhares de anos e na qual oficiaram novamente como Sacerdotes das Potências da Matéria. Os Atlantes Brancos, no entanto, seguiram sempre para o Leste, atravessando Europa e Ásia por uma frente larga que se limitava ao norte com as regiões árticas, e desaparecendo misteriosamente ao fim da pré-história: contudo, por trás de seus passos, belicosos povos brancos se ergueram sem cessar, aportando o melhor de suas tradições guerreiras e espirituais da História do Ocidente.


Mas aonde se dirigiam os Atlantes Brancos? À cidade de K’Taagar ou Agartha, um lugar que, conforme as revelações feitas ao meu povo, era o refúgio de alguns dos Deuses Libertadores, os que ainda permaneciam na Terra aguardando a chegada dos últimos combatentes. Aquela cidade ignota havia sido construída na Terra há milhões de anos, nos dias em que os Deuses Libertadores vieram de Vênus e se assentaram sobre um continente que nomearam Hiperbórea em memória da Pátria do Espírito. Na verdade, os Deuses Libertadores afirmam provir de Hiperbórea, um mundo não-criado, quer dizer, não criado pelo deus criador, existente Mais-além-da-Origem: à Origem denominavam Thule e, segundo eles, Hiperbórea significava Pátria do Espírito. Havia, assim, uma Hiperbórea original e uma terrestre; e um centro isotrópico Thule, assento do Graal, que refletia a Origem e que era tão intocável quanto estava. Toda a Sabedoria espiritual da Atlântida era uma herança de Hiperbórea e por isso os Atlantes
Brancos chamavam a si mesmos “Iniciados Hiperbóreos”. A cidade mítica de Katigara, que figura em todos os mapas anteriores ao descobrimento da América como próxima da China, não é outra que K’Taagar, a morada dos Deuses Libertadores, na que só se permite entrar os Iniciados no Mistério do Sangue Puro.


Finalmente os Atlantes partiram da península ibérica. Como se asseguraram de que as missões impostas aos povos nativos seriam cumpridas em sua ausência? Mediante a celebração de um pacto com aqueles membros do povo que iriam representar o Poder dos Deuses, um pacto que de não ser cumprido arriscava algo mais que a morte da vida: os colaboradores dos Atlantes morenos punham em jogo a imortalidade da Alma, enquanto os seguidores dos Brancos acenavam com a eternidade do Espírito. Mas ambas as missões, tal como disse, eram essencialmente diferentes, e os acordos em que se fundavam, naturalmente, também o eram: o dos Atlantes Brancos foi um Pacto de Sangue, enquanto o dos Atlantes morenos consistiu em um Pacto Cultural.

Começarei pelo Pacto de Sangue. O mesmo significa que os Atlantes Brancos mesclaram seu sangue com os representantes dos povos nativos, que também eram de raça branca, gerando as primeiras dinastias de Reis Guerreiros de Origem Divina: o eram, afirmariam logo, porque descendiam dos Atlantes Brancos, que por sua vez sustentavam ser Filhos dos Deuses. Mas os Reis deveriam preservar essa herança Divina apoiando-se numa Aristocracia do Sangue e do Espírito, protegendo sua pureza racial: é o que fariam fielmente durante milênios... até que a Estratégia inimiga operando através das Culturas Estrangeiras conseguiu cegá-los ou enlouquecê-los e os
levou a quebrar o Pacto de Sangue. E aquela falta de compromisso com os Filhos dos Deuses foi como o senhor verá em seguida, a causa de grandes males.



Desde cedo, o Pacto de Sangue incluía algo mais que a herança genética. Em primeiro lugar estava a promessa da Sabedoria: os Atlantes brancos haviam assegurado a seus descendentes, e futuros representantes, que a lealdade à missão seria recompensada pelos Deuses com a Mais Alta Sabedoria, aquela que permitia ao Espírito regressar à Origem, Mais Além das Estrelas. Vale dizer, que os Reis Guerreiros, e os membros da Aristocracia de Sangue, se converteram também em Guerreiros Sábios, em Homens de Pedra, como os Atlantes Brancos, somente por cumprir a missão e respeitar o Pacto de Sangue; pelo contrário, o esquecimento da missão ou a traição ao Pacto de Sangue trariam graves conseqüências: não se tratava de um castigo dos Deuses nem nada semelhante, mas de perder a Eternidade, quer dizer, de uma queda espiritual irreversível, mais terrível ainda que a que havia aprisionado o Espírito à Matéria.


Não se deve interpretar com isso que os morenos iniciavam aos povos nativos no culto de seu próprio Deus, pois eles afirmavam ser a expressão terrestre de Deus, que era o Deus Criador do Universo; eles, diziam, eram consubstanciais com Deus e tinham um alto propósito a cumprir na Terra, ademais de destruir as obras dos Atlantes Brancos: sua própria missão consistia em levantar uma grande civilização da qual sairia, no Final dos Tempos, um Povo Eleito de Deus, também consubstancial com este, ao qual lhe seria dado reinar sobre todos os povos da Terra; certos anjos, a quem os malditos Atlantes Brancos denominavam “Deuses Traidores ao Espírito”, apoiariam então o Povo Eleito com todo seu Poder; mas estava escrito que aquela Sinarquia não podia se concretizar sem expulsar da Terra os inimigos da Criação, quem ousavam descobrir aos homens os Planos de Deus para que estes se rebelassem e se apartassem de Seus desígnios; sobrevirá então a Batalha Final entre os
Filhos da Luz e os Filhos das Trevas, quer dizer, entre quem adorasse o Deus Criador com o coração e quem compreendesse a serpente com a mente
.



Opostamente, os Deuses dos Atlantes Brancos não requeriam nem Culto nem Sacerdotes: falavam diretamente no Sangue Puro dos Guerreiros e estes, por escutar Suas Vozes, se tornavam Sábios. Eles não tinham vindo para conformar o homem na sua desprezível condição de escravo na Terra, mas para incitar ao Espírito humano à rebelião contra o Deus Criador da prisão material e a recuperar a liberdade absoluta na Origem, mais além das estrelas. Aqui será sempre um servo da carne, um condenado à dor e ao sofrimento da vida; ali será o Deus que antes havia sido, e tão poderoso como
Todos. E, desde então, não haveria paz para o Espírito enquanto não concretizasse o Regresso à Origem, enquanto não reconquistasse a liberdade original; o Espírito era estrangeiro na Terra e prisioneiro da Terra: salvo aquele que estivesse adormecido, confuso num extravio extremo, enfeitiçado pela ilusão do Grande Engano. Na Terra, o Espírito só poderia manifestar-se em guerra perpetuamente, contra as Potências da Matéria que o mantinham prisioneiro. Sim, a paz estava na Origem: aqui somente poderia haver guerra para o Espírito Desperto, quer dizer, para o Espírito Sábio; e a Sabedoria só poderia ser oposta a todo Culto que obrigasse o homem a se por de joelhos perante um deus. Os Deuses Libertadores jamais falavam de paz, mas de Guerra e Estratégia: e então a Estratégia consistia em manter-se em estado de alerta e conservar o acordo com os Atlantes Brancos, até o dia em que o teatro de operações da Guerra Essencial se mudasse novamente para a Terra. E isso não era a paz, mas a preparação para a guerra. Mas cumprir com a missão, com o Pacto de Sangue, manter o povo em estado de alerta, exigia certa técnica, um modo de vida especial que lhes permitisse viver como estrangeiros na Terra. Os Atlantes Brancos tinham transferido aos povos nativos um modo de vida semelhante, muitas de cujas pautas seriam atualmente incompreensíveis. No entanto tratarei de expor os princípios mais evidentes em que se baseavam para conseguir os objetivos propostos: simplesmente se tratava de três conceitos, o princípio da Ocupação, o princípio do Cerco e o princípio da Muralha; três conceitos complementados por aquele legado da Sabedoria Atlante que eram a agricultura e a pecuária.

Em primeiro lugar, os povos aliados dos Atlantes Brancos não deveriam esquecer nunca o princípio da Ocupação do território e teriam de prescindir definitivamente do princípio de propriedade da terra, sustentado pelos partidários dos Atlantes morenos. Com outras palavras, a terra habitada era terra ocupada e não terra própria; ocupada a quem? Ao inimigo, às Potências da Matéria. A convicção desta distinção pessoal bastaria para manter o estado de alerta, pois o povo ocupante era assim consciente de que o Inimigo tentaria recuperar o território por qualquer meio: sob a forma dos povos nativos aliados aos Atlantes morenos, como outro povo invasor ou como adversidade das Forças da natureza. Crer na propriedade da terra, pelo contrário, significava baixar a guarda frente ao Inimigo, perder o estado de alerta e sucumbir ante Seu Poder de Ilusão.

A fórmula correta era a seguinte: se um povo de Sangue Puro realizava o cultivo sobre uma terra ocupada, e não esquecia em nenhum momento que o Inimigo se encontrava afora, então, dentro do cerco, seria livre para elevar-se até o Espírito e adquirir a Mais Alta Sabedoria. Caso contrário, se cultivava a terra crendo em sua propriedade, as Potências da Matéria emergiriam da Terra, se apoderariam do homem, e o integrariam no contexto, convertendo-o num objeto dos Deuses; em conseqüência, o Espírito sofreria uma queda na matéria ainda mais atroz, acompanhada da ilusão mais nociva, pois acreditaria ser livre em sua propriedade quando seria somente um apêndice do organismo criado pelos deuses.

De acordo com a Sabedoria Lítica dos Atlantes Brancos, existiam muitos Mundos em que o Espírito estava prisioneiro e em cada um deles o princípio da Muralha exigia diferente aplicação: no mundo físico, sua aplicação correta conduzia à Muralha de Pedra, a mais efetiva vala estratégica contra qualquer pressão do Inimigo. Por isso os povos nativos que iam cumprir a missão, e participavam do Pacto de Sangue, eram instruídos pelos Atlantes Brancos na construção de muralhas de pedra como ingrediente fundamental de seu modo de vida: todos que ocupassem e cercassem a terra para praticar o cultivo, com o fim de sustentar no lugar uma obra aos Atlantes Brancos, tinham também de levantar muralhas de pedra. Mas a ereção das muralhas não dependiam só das características da terra ocupada, mas em sua construção deveriam intervir princípios secretos da Sabedoria Lítica, princípios que só os Iniciados no Mistério do Sangue Puro, os Guerreiros Sábios, podiam conhecer. Compreender-se-á melhor o porquê desta condição se digo que os Atlantes Brancos aconselhavam “olhar com um olho para a muralha e com o outro para a Origem”, o que só seria possível se a muralha se achava referida, de algum modo, à Origem.

Apenas no inicio...

sábado

Os Amish



Costumo criticar o cristianismo, mas admiro muito este grupo que consegue manter-se isolado e ser tão conservador. Os Amish são descendentes dos grupos suíços de anabatistas chamados de Reforma radical. O Anabatistas suíços tiveram suas origens com Felix Manz (ca. 1498-1527) e Conrad Grebel (ca.1498-1526). O nome "Menonita" foi aplicado mais tarde e veio de Menno Simons (1496-1561). Simons era um padre católico holandês que se converteu ao Anabatismo em 1536. O movimento Amish começou com Jacob Amman (c. 1656 - c. 1730), um líder suíço dos Menonitas que acreditava que estes estavam se afastando dos ensinos de Simons.
Estimativas do início da década de 2000 apontavam a existência de 198 mil membros da comunidade amish no mundo, sendo 47 mil apenas na Pensilvânia . Esses grupos são compostos por descendentes de algumas centenas de alemães e suíços que migraram para os Estados Unidos e o Canadá.
Os amish preferem viver afastados do restante da sociedade. Eles não prestam serviços militares, não pagam a Segurança Social e não aceitam qualquer forma de assistência do governo. Muitos evitam também ter seguro de vida.



Eles seguem um estilo de vida predominantemente rural, e vivem em fazendas dentro de vilarejos espalhados pelo país. Consideram este modo de vida uma forma de se manterem afastados dos não puros, que poderiam afetar seu conservadorismo.



Suas casas são de estilo funcional e simples, sem muitos móveis ou decorativos, tendo apenas o necessário. A iluminação é de lampiões à óleo ou à gás (Permitido pelo Ordnung) e velas. Todo o trabalho na fazenda é feita com cavalos (Os cavalos Amish são cavalos de carga. Estes cavalos têm pernas grossas, ombros e ancas musculosos.) embora a Ordem aceite alguns aparelhos que possam facilitar (como aparelhos automáticos de extração de leite com tanques de refrigeração.)Vento, água e energia solar são também permitidos como fontes de energia porque promovem o isolamento.

A língua oficial é um dialeto alemão conhecido como Alemão da Pensilvânia (Pennsylvania Dutch.



Quando o jovem Amish completa 16 anos acontece Rumspringa, antes do batismo o jovem tem o direito de conhecer o mundo moderno, e após conhece-lo o jovem tem o direito de escolha: Se ele aceitar ser batizado, oficialmente fará parte da igreja e dos preceitos da sociedade Amish, mas se ele escolher não seguir mais o estilo de vida Amish, ele pode sair do vilarejo e entrar no mundo moderno. Entretanto, a partir deste ponto o jovem é afastado da comunidade Amish permanentemente. Ele pode voltar à comunidade como visitante. Como a criança é educada sob os ensinamentos da Ordem durante toda a infância, sem nenhuma inclinação para essa outra opção, é muito raro ver um jovem que nasceu na comunidade Amish e desistiu de seguí-la.



O culto Amish é praticado da mesma maneira desde a incepção do Anabatismo na época da Reforma. O Culto é voltado a Deus e não tem o caráter evangelizador, portanto práticas como "chamada ao altar" ou "aceitar Jesus" não existem. Não constroem igreja, assim reúnem-se em casas privadas ou em salas de escolas. As mulheres sentam-se separadas dos homens e cobrem a cabeça com um véu. O culto inicia com uma invocação de algum dos anciãos, seguem-se hinos, cantado do hinário Ausbund, que é o mesmo texto desde o século XVI e não contém notação musical. Então há uma oração, onde todos se ajoelham silenciosamente até que algum membro masculino ore pela igreja. A leitura e pregação da Bíblia é feita extemporaneamente, sem sermões preparados, e muitos elterns (anciãos) abrem as Escrituras aleatoriamente. Seguem uma oração do ministro e uma bênção final. A congregação se despede com um ósculo.

Hyperborea

Hyperborean realism



The Aryan Golden Age

Ocorreu um erro neste gadget